quarta-feira, julho 25, 2007

Fases

Todos temos fases melhores e fases piores. Pelos vistos eu entrei na fase apática, apetece-me ler, ver filmes, descansar, pensar (se bem que às vezes até cheira a queimado), estar com aqueles amigos que nunca me abandonam e que gostam de mim tal e qual como eu sou.
Tenho ouvido música actual e muita música do passado, dei por mim a recordar os tempos gloriosos em que tinha que ouvir o Top + para ver os vídeo clips e saber as últimas sobre concertos, um tempo em que a internet era uma miragem e o tempo decorria mais devagar e menos conturbado, menos informação, poucos terroristas e políticos igualmente maus... deixo aqui uma música dos anos 80 dos Foreigner, "I Wanna Know What Love Is", cheira mesmo a Verão


5 comentários:

Rubina disse...

Gosto muito dessa música, e também faço dessas incursões para lembrar o passado. Beijinhos

Geoca disse...

Que coisas boas esta musica me faz lembrar...

Tyggreza disse...

Olá!

Tenho que discordar contigo. Os anos 80 não eram tempos menos conturbados. Havia terrorismo e políticos maus:

a) terrorismo:
ETA e o IRA estavam ao rubro, bem como os guerrilheiros na América Latina;

b) políticos maus:
as ditaduras socialistas na Europa Oriental, na América Latina (Chile, Brasil, Nicarágua...), guerra em África (Angola e Moçambique), o Apartheid, a opressão sobre o Tibete, sobre a Brimânia, a Imeldinha nas Filipinas, massacre em Tianamen na China, a Guerra Fria, o conflito Israel-Palestina...

A memória que tenho dos anos 80, da minha escolaridade primária é o seguinte: sempre que se abria a Newsweek só se via um destes rostos:
Mr. Reagan
Mrs. Tatcher
Mr. Kadafi
Mr. Kruschev
Mr. Arafat

Era mau, era muito mau. Era também muito diferente. Por isso é que o Sting cantava a pulmões cheios «Russians» e mais tarde «Fragile», os U2 cantavam «Sunday Bloody Sunday» e «New Year's Day».

O acesso à informação era diferente e, talvez por isso, a nossa percepção do que se passava então era também diferente. Por outro lado, saíamos menos do nosso cantinho e sentíamo-nos menos ameaçados. A ameaça agora é global, mas nós também nos globalizámos.

leao_xxi disse...

Também gosto de recordar o passado...são as nossas memórias e é com elas que vivemos...
Beijinhos

AnadoCastelo disse...

Meu Deus, Mariita, o que me fizeste lembrar com esta música. Dancei-a muito com o meu marido, agarradinhos. Adoro esta música. Ainda hoje gosto de ver o Top+, pois tenho uma filhota a sair da adolescência e tenho de estar informada das últimas novidades musicais.
Beijinhos querida