quinta-feira, setembro 28, 2006

A saúde


é um bem precioso, ninguém põe isso em causa. Mas em Portugal, não só é um bem precioso, como deve ser gerido com parcimónia. Hoje tive que marcar duas consultas, uma no Centro de Saúde da minha área de residência e uma de especialidade num consultório privado. A Consulta do Centro de Saúde seria em meados de Novembro e a do especialista ficou marcada para segunda-feira.
A diferença à primeira vista está no preço, mas não só. Para mim prende-se com o facto de eu, neste momento, poder recorrer ao privado, mas haver muita gente, mesmo muita que depende única e exclusivamente do Serviço Nacional de Saúde (SNS), infelizmente os mais desfavorecidos.

Neste contexto, as novas medidas do Ministro da Saúde, parecem-me extremamente penalizantes para os utentes do SNS. Ninguém vai ao médico por não ter nada de melhor para fazer, vai porque precisa. É baseando-me neste raciocinio simples que não acredito que os utentes queiram ser internados e que façam pressão para se manterem internados e ainda menos acredito que um ser humano normal queira ser operado. Não entendo pois o que pretende o Ministro da Saúde ao aumentar as taxas moderadoras para internamentos e cirugias.
E já agora, para falar francamente, não entendo o que é que se pretende do SNS, nem o que é que anda a fazer o Ministro da Saúde.

6 comentários:

LoiS disse...

Nem sei o que te diga. Para este país é um tema tão complexo, que se arrasta. Quanto a este ministro, não o critico pois sei que não é culpado único. Mas mais uma vez não sei mais o que te diga!

Olha, talvez quando começarmos todos a pagar impostos e a deixarmos de ser corruptos a coisa mude. Talvez !!!!!

Um país com + dinheiro precisa-se !!!!

TONY, Duque do Mucifal disse...

sim é verdade Lois. Mas os nossos politicos nunca dão o exemplo. Num País com um ESTADO DE DIREITO individuos como o Isaltino Morais, Valentim Loureiro e afins já estariá nos calabouços. E viva o Chávez! (sic)

asdrubal tudo bem disse...

1º por acaso até concordo que se se criem taxas moderadoras desde que elas sejam para penalizar quem pode recorrer ao sistema privado e nunca às pessoas de menos posses.

2ºestás enganada quando dizes que as pessoas não vão ao médico e ao hospital por prazer. há muita gente que não tem nada e vai para as urgências só por solidão e por não ter mais nada que fazer. (tens razão no que diz respeito ás operações)

vinte e dois disse...

É mesmo. Há pessoas que vão ao médico quase que por vício. Há tempos, em conversa com uma colega que trabalha num centro médico, é disse-me que há pessoas que é rara a semana que não vão ao médico... mania das doenças, simplesmente!! :)

Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú disse...

A saúde é um tema bastante complexo, que os diversos governos que se sucedem não têm conseguido resolver de forma eficaz. As filas nos postos de saúde são rotina, listas de espera para intervenções cuirurgicas,etc. Só espero que não aconteça o mesmo que sucede no Brasil. Uam desresponsabilização do Estado em relação a esse problema porque sabem que as classes médias têm dinheiro para pagar seu plano de saúde privado!

DIV de divertida disse...

é por estas e por outras que me sinto em raiva e com vontade de dar cabo deles.
não me merecem qualquer crédito e o pior é que nao posso fazer nada contra quem quer coordenar a minha vida!