quinta-feira, junho 21, 2007

Sem Título

O sol da manhã tocou o corpo desnudo sobre a cama, despertando-a de um sono sem sonhos, mas reparador. Sentia os raios de sol na pele transmitindo-lhe um calor que há muito a alma tinha deixado de sentir. Por vezes sobressaltava-se com a ideia de estar morta internamente, mas depois refugiava-se no mundo dos sonhos só para descobrir que estava viva ainda que com medo de deixar o seu lugar de espectadora. Espreguiçou-se, virou-se na cama e olhou para fora. Os seus olhos demoraram-se num pássaro que curioso espreitava à janela. Espreguiçou-se mais uma vez, enquanto lá fora o pássaro levantava voo. Singela metáfora da vida.

8 comentários:

Jade disse...

Li, adorei e deste-me o mote para o meu post.

Beijinhos!

vinte e dois disse...

Faço das palavras da Jade as minhas. Muito bonito mesmo ;)

Rubina disse...

Muito bonito. Daqueles dias em que o acordar pode não ser excitante mas estamos em paz :)

AnadoCastelo disse...

Hum... que acordar tão bom. Bom pronúncio de verão.
Beijinhos e bom fim de semana

PS já podes ver o meu post sobre o reiki.

Geoca disse...

Ciao! Me piace questo svegliare. Troppo bello!

Saul Trindade disse...

corpo desnudo... hummm...que bom :)

leao_xxi disse...

Belo texto!!!!!

Sofia disse...

Muito bonito, Maria.
Vou tomar nota no meu caderno especial e voltarei a ler sempre que estiver a espera de uma amanhecer de sol.
Abraços,