quarta-feira, junho 07, 2006

Extrema Direita em Portugal

Quando eu penso que as coisas já não podem piorar, eis senão quando a RTP1 se lembra que é um canal com vocação informativa...
Estava eu ontem a jantar com a minha família, quando me deparo com uma reportagem sobre a extrema direita em Portugal. O fenómeno reduz-se a 9000 almas, na minha opinião demasiadas ainda para o meu gosto.
A reportagem leva-nos a uma visita guiada ao mundo da extrema direita em Portugal, as suas ideias, o que fazem na divulgação dos seus ideiais, onde estão e como actuam.
As ideias deles são sobejamente conhecidas, Portugal para os portugueses (brancos), expulsão da maioria dos emigrantes, a raça caucasiana (suponho que lá no fundo eles queriam dizer ariana) dominante.
Para divulgarem estas maravilhosas ideias, e porque este tipo de ideal é proíbido por lei, utilizam a internet onde têm blogues, como o meu ou o teu, e publicam textos adequados à temática, fotos de reuniões que se dão por toda a Europa.
Na reportagem de ontem foi finalmente confirmado algo que já todos suspeitávamos e que é que os skins (como eles orgulhosamente se intitulam) se infiltram nas claques dos clubes desportivos criando pequenos núcleos extremamente violentos. Infelizmente o exemplo dado foi da claque do meu querido Sporting, mas foi referido que os skins se infiltram em todas as claques por ser uma forma fácil de gerar violência pela violência.
Para além de acompanharmos um grupo de skins portugueses que se deslocaram à Alemanha no ano passado para uma manifestação que se deu em Dresden, tivemos imagens de um concerto de um grupo musical chamado "Ódio" em que a violência era um imperativo bem como a saudação nazi. Por todo o lado, imperavam suásticas, palavras de ordem anacrónicas e lamento se o digo, falta de intervenção policial, pois a reportagem mostrava que estes elementos tinha armas automáticas em casa "para defesa ou para ataque, caso um dia decidamos tomar o poder pela força".
De tudo o que vi, sobressaiu uma violência sem limites e uma ignorância atroz. Portugal é o que é porque aqui sempre conviveram diferentes credos, raças e religiões. Se fizemos as Descobertas foi devido ao Astrolábio dos árabes e o capital dos judeus. Se tivemos um Império foi devido à capacidade de todos de contribuirem para essa epopeia. Mas se não nos quisermos ficar pelo século XVI, nem pela nossa relação com África que dura até aos dias de hoje, temos muito que agradecer aos emigrantes que cá estão, porque existem alguns que não prestam como em todos os lados, mas muitos fazem os trabalhos que nenhum português quer fazer.
Esperemos para o bem de todos que esta gentalha ganhe juízo e não nos dê mais desgostos.

8 comentários:

LoiS disse...

Marie:

Muito bom post.

Não considero esses senhores extrema direita. Aliás, não são NADA politicamente !

marta disse...

Faz-me aflição tudo o q incentiva a violência e o desrespeito pelo outro. A liberdade do outro começa onde termina a nossa. Não gosto de claques de futebol. Não concordo com a sua existência, seja de que clube fôr. Não consigo vêr nada de bom nas claques. Só vêm ainda instigar mais a violência nos estádios e entre clubes.Que me desculpem mas são na sua maioria grupos de fanáticos em nada desportivistas!

LoiS disse...

O mal desta forma de pensar é mesmo a cultura do Ódio e da Violência. Não digo que no meio dos que apregoam estes ideais não existam coisas que todos nós paramos, pensamos e se calhar até concordamos, mas coisas, não o ideal destes tipos !

Outra coisa que abomino nestes intolerantes é mesmo a intolerância perante os toxicodependentes ( doentes ) e os homossexuais ( apenas e só pessoas que amam de forma diferente do que é socialmente aceite ).

freemind disse...

Já tive o desprazer de conhecer pessoalmente uma dessas alminhas... é em alturas dessas que eu percebo porque se cometem homicidios!!

Andorinha disse...

O assunto revolta-me as entranhas, na verdadeira acepção da palavra. Tenho um espécie de murro no estômago e o que é pior, esse tipo de atitudes desperta em mim uma raiva imensa pela ignorância desta gentalha. Gente mal formada, que não arranjou mais nada de útil na vida senão lutar por ideais distorcidos e de gente demente.
Não conheci nenhuma alminha dessas pra mta sorte deles, mas conheço gente que tem ideias completamente estapafúrdias e com quem, como diz a minha Tininha, o meu Santo não combina. Nesses momentos salta-me completamente a tampa e dou comigo quase a arrancar os gargamelos a alguém!!
A sério, vou parar por aqui pq isto tá-me mm a fazer mal.

Andorinha disse...

O assunto revolta-me as entranhas, na verdadeira acepção da palavra. Tenho um espécie de murro no estômago e o que é pior, esse tipo de atitudes desperta em mim uma raiva imensa pela ignorância desta gentalha. Gente mal formada, que não arranjou mais nada de útil na vida senão lutar por ideais distorcidos e de gente demente.
Não conheci nenhuma alminha dessas pra mta sorte deles, mas conheço gente que tem ideias completamente estapafúrdias e com quem, como diz a minha Tininha, o meu Santo não combina. Nesses momentos salta-me completamente a tampa e dou comigo quase a arrancar os gargamelos a alguém!!
A sério, vou parar por aqui pq isto tá-me mm a fazer mal.

LoiS disse...

Infelizmente convivi mais tempo do que o queria com gente dessa. Assisti ao inicio do M.A.N. mas nem quero perder tempo a falar nisso !
Outros tempos !

Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú disse...

Eis uma temática que muito me interessa mas sobre a qual não gosto muito de opinar. Talvez porque em diversas vezes tenha sido acusado de extremista de direita! :)
Sou militante do CDS-PP mas desde cedo verifiquei que o partido não se enquadrava totalmente com a minha linha de pensamento. Sou um nacionalista confesso mas nem por isso me considero xenófobo. talvez esta confusão seja originada pela comunicação social e por grupos de extrema esquerda que se focalizam nestes grupos mais folclóricos.
Em 2001 assisti ao Congresso Nacionalista no antigo Hotel Penta e desde logo verifiquei que a desiganda direita nacionalista é fragmentada em diversas facções. Havia de tudo: Skin-Heads truculentos e ávidos de violência gratuita, defensores da união entre Portugal e Galiza, africanistas, monárquicos,etc. Não houve nenhum consenso e penso que a partir desse evento se fundou uma aberração chamada PNR que´é uma cópia mal acabada da FN de Jean Marie Le Pen. È completamente ridículo existir um partido nacionalista em Portugal com propósitos racistas. Que eu saiba não somos uma nação de arianos e temos origem em diveros povos que ocuparam a Península Ibérica durante os séculos. Talvez muitos desses senhores nem saibam que corre algum sangue árabe nas suas veias...
Claro que sou apologista de um maior controle na entrada de imigrantes no país. Mas temos que reflectir e pensar que talvez essas pessoas nem ocupem nenhum posto de trabalho ansiado por cidadãos nacionais. Sendo assim, penso que terão a sua utilidade.
Também sempre fui partidário de uma maior aproximação aos PALOP e reforço da lusofonia mas na óptica de muito boa gente esse tipo de pensamento é apelidade de neocolonialista ou paternalista...
Até penso que a minha crença monárquica seja apelidada hoje em dia de extemista!
Enfim, já me estiquei no texto e penso que muito mais haveria para dizer mas isso ficará para segundas núpcias...