quarta-feira, maio 31, 2006

E eis senão quando...

o meu local de trabalho, se transformou de um dia para o outro, num local de portas fechadas em que o bossinho me telefona do gabinete dele para os meus domínios...
Pois é, o novo Big Boss fuma, mas meus amigos ele fuma ao ponto de ontem a minha roupa ter ido para a varanda quando cheguei a casa. Fuma ao ponto de eu achar que há uma certa neblina no ar.
Objectivamente incomoda-me porque detesto, ok, ok, odeio, cheirar mal. Em relação ao fumo em si, não me incomóda demasiado. Já fumei, já não fumo, nem tenciono voltar a fumar.
Mas, para que se riam, imaginem um local pequeno, que tem uma área aberta, e três gabinetes. Então agora imaginem-me na zona de open space a receber um telefonema:
"Maria, ele ainda está a fumar? Precisamos de arranjar alguma coisa que tire o cheiro a tabaco, estou-me a sentir mal!"
Cinco minutos mais tarde, trim trim:
"Maria, vais dar aulas hoje depois do trabalho?"
"Não bossinho, hoje não"
"Podes passar no supermercado e comprar daquelas coisas para tirar o cheiro? Estou muito mal disposto"
"Ok bossinho, eu compro"
Hoje está fechado no seu gabinete e nem pia...

5 comentários:

LoiS disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
LoiS disse...

Mas que grande merda esse ambiente!

Fui fumador, deixei! de vez em quando dou-lhe mas ACABOU!

Uma coisa que detesto é obrigarem-me a fumar quando não quero!

Força miúda!
A lei está do teu lado!

Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú disse...

O fundamentalismo anto-tabágico já chegou por aí?????

LoiS disse...

Uns chamam fundamentalismo, outros chamam zelar pela saúde do próximo!

ogajodosavioes disse...

nada como o efeito sala de chuto pela manha. havias de ver a 'minha' torre aqui ha uns tempos. creio que tem tabaco nestas paredes desde o tempo da rainha vitoria. isto se houvessem torres nessa altura. mas certamente que compensou o tempo perdido com o elevedao volume de tabagismo.