quinta-feira, dezembro 15, 2005

Revolta e Repugnância

Quando oiço histórias sobre crianças maltratadas sinto-me profundamente revoltada. Este ano temos sido confrontados com várias, cada uma delas mais animalesca que a anterior.
Mas, quando eu achava que já não se podia descer mais na escala da degradação humana, sou surpreendida com a notícia de que uma bebé de 50 dias está em coma nos Hospitais da Universidade de Coimbra e que os seus progenitores foram presos.
Ninguém fala de outra coisa, e confesso que pela primeira vez senti uma certa empatia pela Senhora da limpeza que estava indignadíssima.
Que diabo é que leva um homem de 22 anos a violar uma bebé de um mês e pouco? Ao ponto de a bebé ter dado entrada no hospital com o anûs desfeito? Que raio de mãe é que permite uma coisa destas? Como é possível que uma bebé saudável à nascença esteja a lutar pela vida, sabendo-se desde já que se sobreviver vai ficar cega de um olho e com lesões profundas no cérebro? Como é que ninguém se apercebeu? Como é que se consentiu?
Só espero que a bebé tenha a felicidade de morrer. Imagino as expressões de horror dos leitores, mas às vezes é preferível a viver para sempre com a recordação que os próprios pais fizeram uma barbaridade destas. E não vale a pena argumentar que a bebé não se lembra porque está provado que os sentimentos de abandono num bebé são sentidos nas primeiras horas após o seu nascimento.
Pergunto-me ainda, que sociedade é esta em que estas coisas monstruosas acontecem, toda a gente sabe, toda a gente comenta e ninguém faz nada...
Sinto-me muito revoltada com tudo isto e começa a ser difícil não dizer às senhoras das Comissões de Protecção de Menores que são incompetentes e negligentes no seu trabalho. Quantas mais crianças vão ter que morrer para alguém fazer alguma coisa?

8 comentários:

DR disse...

Também estou chocado. Espero que os malfeitores sejam punidos severamente.
No entanto alerto para o problema que muitas vezes surge em casos como este, legislar a quente. Querem fazê-lo em época de incêndios, quando morre um polícia, quando se apanha um pedófilo ou em outros casos mediáticos. Não se deve cair nesse erro.

freemind disse...

Pelo que soube a mãe tem problemas mentais... só podia.

Mas nada, e repito, NADA justifica uma atitude animalesca destas.
Este caso veio a público, mas eu pergunto-me por aqueles que nunca chegam a ser divulgados.

Não se trata de legislar a quente. Estamos perante matérias reguladas e com punições previstas... a questão é que não há fiscalização... temos um país que usa (se bem ou mal isso é outro assunto) dos recursos punitivos, mas não os preventivos.

Chocam-me estas situações, as de maus tratos puros e simples de pais a filhos, os que utilizam as crianças como matéria de ataque e arremesso nos problemas entre eles... mas infelizmente é o país que temos... e todos se chocam, mas nada se faz.

Salta Pocinhas disse...

Epah desculpem lá, mas não há punição suficientemente severa para esta gente!
É hediondo!
E não sei mais o que dizer, porque sou mãe, porque não sei o que faria a quem ousasse tocar com um dedo na minha filha...
Livrem-se!

Maríita disse...

Olá dr,
Acho que sabes que a minha mãe é pedopsiquiatra, vê casos como este quase todos os dias, e legislação existe mais do que suficiente, o que não existe é gente com formação suficiente para assegurar o seu cumprimento.
Neste caso, os médicos dos Hospitas da Univ. de Coimbra alertaram para o facto da bebé, ter esquimoses antigas e também se sabe que a bebé tinha estado dois dias antes de dar entrada de urgência no Hospital com as Senhoras da Comissão de PRotecção de Menores, elas não viram? Não quiseram ver? A questão que se coloca, não é de legislar, é de fazer com que o sistema que já existe funcione efectivamente.

Olá Freemind,
Existem muitos casos por divulgar, alguns deles para própria protecção da criança, esta mediatização pode causar problemas psicológicos adicionais às crianças que são sempre vítimas porque não têm como se defender.

Queriducha,
A Lua está bem, é uma menina feliz, sabe que tem uns pais que a adoram e uma tia Johnny que mesmo em Lisboa, gosta muito dela.
Beijos!

Nostalgia infinita... disse...

A sociedade em k vivemos nunca será perfeita e as crianças continuarão a ser usadas, e maltratadas...
Cabe a todos nós tentarmos mudar isso como tu fazer com esta chamada de atenção com o teu texto...


joão vidal

just me disse...

N vale a pena opinar sobre o tema, porque partilho do que já foi dito. A única coisa que acho que se deve corrigir é que, INfelizmente, não é "o PAÍS que temos", mas é "o MUNDO que temos". Se isto se passasse só em Portugal, não deixando se ser um grande problema que urge ser soluccionado, seria de dimensões bastante inferiores à reais...

Andorinha disse...

Escusado será dizer que estou de acordo com a Maria em cada palavra. Pobre criança e Deus me perdoe,mas sobreviver pra quê?? É hediondo e tenho as tripas às voltas. Trabalho com crianças que estão em casas de acolhimento e sinto uma revolta crescente.Eu nem sei o motivo porque estão lá, e perdoem-me,mas prefiro nem saber.Não por egoísmo,mas para poder a continuar a dar tudo o que tenho com toda a com candura e inocência.Isto pq todas elas têm uma paixão imensa ou pela Mãe, ou pelo Pai, pq geralmente só estão com um dos dois. E todos os fins de semana vão a casa e cada um educa como pode...mas até na melhor das intenções, a pobreza de espirito, de tempo para dar a cada um,de atenção é TÃO grande que os miúdos estão "ao Deus dará".E isto revolta-me, mas eu NÃO POSSO, NÃO DEVO, NÃO TENHO O DIREITO de julgar os Pais que têm a custódia daqueles miúdos, pq se ainda a têm é pq alguma coisa de bom devem ter feito, no mínimo terem-se livrado de companheiros q nem consigo descrever por palavras.Mas mesmo assim não é suficiente.O trabalho que se faz com tanto esforço durante uma semana vai c'os porcos num único fds...porque os Pais/Mães não têm mão neles.As assistentes sociais são odiadas (no outro dia dizia-me um:a minha assistente social é uma brasa, boa comó milho!Só é pena eu não gostar de pipocas! - Claro q não me contive e ri a bom rir da frase, mas a preocupação...),as educadoras das casas são psicologicamente agredidas constantemente e merecem todo o meu aplauso pelo que aguentam, mas este mundo está tão torto, mas tão torto, que nem toda a boa vontade do mundo chega.
Eu só rezo para que nenhuma das crianças com q lido tenha sido sexualmente abusada, pq se chego a saber.........Deus livre quem tocar naqueles miúdos, pq eu desfaço-o(a)!! e não vou escrever + pq já me estiquei e tou a ficar com raiva e não pode ser.
Beijos a todos e parabéns à Maria pelo excelente texto!

Dulcineia disse...

Também fiquei chocadissima e revoltada com a incompetencia da comissão de protecção de crianças e jovens.Mas este caso mais,é bem revelador do rectangulo em que moramos...Afinal,se estivermos atentos à estatistica,todos os dias há crianças violentadas,mulheres batidas...um conjunto de situações que muitas vezes me dão vontade de renegar o meu amor a Portugal.